Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Related Materials
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 Ford Brazil Announces the Results of Its Program to Reduce Water Consumption

DATE: Will be calculated from "Release Start Date" field.

Mova o cursor para baixo para ler este release em português

SÃO BERNARDO DO CAMPO, Brazil - Ford Brazil released on March 22, the World Water Day, the results of its program of Reduction of Water Consumption. Brazil has already reached the global target established by Ford for 2015, below 4 cubical meters for produced vehicle, and continues to work to reduce more this number.
Several actions contribute for this result, including educative campaigns for employees such as the one is being done during the World Water Day commemoration, and the adoption of more technologies and efficient processes.
 
One of these initiatives is the adoption of a dry cleaning process for the fleet's cars in the São Bernardo do Campo plant, that reduced in 90 percent the water used for this purpose. The process uses an ecologically correct product that contains wax and involves the dirt, applied with special cloths that later on are recycled.
 
The adoption of new technologies is another strategy to reduce the water consumption. The Ford engine plant in Taubaté, for example, already uses in stages of production the dry-machining, which is a technology that lubricates the cutting tools with a minimum amount of cooling fluid and water. This process saves hundreds of liters of water and oil per year, eliminating at the same time the necessity of treatment and disposal of these fluids.
 
The Taubaté plant also keeps a lake supplied by treated sanitary effluent and water collection of rain, used as habitat for fish and wild birds, certified by the World Wildlife Fund.
 
The Camaçari plant, in Bahia, is a model of innovation for the water economy. Its ecological system of sanitary effluent treatment, known as Wetlands, uses aquatic plants and the action of bacteria for the treatment of reused water in the gardens irrigation.
 
Ford set an aggressive target of reduction in the global water consumption, of 30 percent by vehicle produced up to 2015, having as base the volume used in 2009. The objective is to search the continuous improvement not only in the efficiency of vehicles, but also in the manufacture processes.
 
From 2000 to 2010, Ford cut its water use by 62 percent, which equals 10.5 billion gallons. In 2000, Ford used 9.5 cubic meters on average to produce a vehicle. With the new targets of reduction, this volume must fall for less than 4 cubic meters in 2015.
 
With the launching of its Global Water Management initiative, in 2000, Ford improved its measurement systems of the consumption in all the plants. Its engineers had developed software to foresee the consumption and to measure the amount of used water in each plant, being generated a monthly report that helps to identify improvement opportunities.
 
Ford was the first automobile company to adhere, in year 2000, to the project of spreading of environment data “Carbon Disclosure Project (CDP)/Water Disclosure”.  This project serves as a central office where Ford and other participant companies disclose its consumption and action of water management for the chain of suppliers and the market.
 
"The environmental questions are even more important for our business-oriented partners, customers, investors and suppliers. The water conservation is part of the global sustainability strategy of Ford. Disclosing our progresses, we support the positive social transformation and we reduce the environmental impact of our plants", says Edmir Mesz, supervisor of Environmental Quality, Ford South America.





 

 

 

 


 Ford Brasil Divulga Resultados do seu Programa de Redução do Consumo de Água

By  

Mova o cursor para cima para ler este release em inglês
SÃO BERNARDO DO CAMPO, Brasil - A Ford Brasil divulgou no Dia Mundial da Água, 22 de março, os resultados do seu programa de redução do consumo de água. O Brasil já está dentro da meta global estabelecida pela Ford para 2015, abaixo de 4 metros cúbicos por veículo produzido, e continua a trabalhar para reduzir ainda mais esse número.
Várias ações contribuem para esse resultado, incluindo campanhas educativas para os empregados, como a que está sendo realizada agora dentro da comemoração do Dia Mundial da Água, e a adoção de tecnologias e processos mais eficientes.
 
Uma dessas iniciativas é a adoção da lavagem a seco dos carros da frota na fábrica de São Bernardo do Campo, que reduziu em 90% a água usada para esse fim. O processo utiliza um produto ecologicamente correto que contém cera e envolve a sujeira, aplicado com panos especiais que depois são reciclados.
 
A adoção de novas tecnologias é outra estratégia para reduzir o consumo de água. A fábrica de motores da Ford em Taubaté, por exemplo, já utiliza em etapas da produção a chamada usinagem a seco, tecnologia que lubrifica as ferramentas de corte com uma quantidade mínima de fluido refrigerante e água. Esse processo economiza centenas de litros de água e óleo por ano, eliminando ao mesmo tempo a necessidade de tratamento e descarte desses fluidos.
 
A fábrica da Ford em Taubaté mantém também um lago abastecido por efluentes sanitários tratados e coleta de água da chuva, usado como habitat para peixes e aves selvagens, certificado pelo World Wildlife Fund.
 
A fábrica da Ford em Camaçari, na Bahia, é um modelo de inovação para a economia de água. Seu sistema ecológico de tratamento de efluentes sanitários, conhecido como wetlands, utiliza plantas aquáticas e a ação de bactérias para o tratamento da água reutilizada na irrigação dos jardins.
 
A Ford estabeleceu uma meta agressiva de redução no consumo global de água, de 30% por veículo produzido até 2015, tendo como base o volume gasto em 2009. O objetivo é buscar a melhoria contínua não só na eficiência dos veículos, mas também nos processos de manufatura.
 
De 2000 a 2010, a Ford diminuiu o seu consumo de água em 62%, o equivalente a mais de 39 bilhões de litros. Em 2000, a Ford usava em média 9,5 metros cúbicos para produzir um veículo. Com as novas metas de redução, esse volume deve cair para menos de 4 metros cúbicos em 2015.
 
Com o lançamento da sua Iniciativa Global de Gerenciamento da Água, em 2000, a Ford aprimorou seus sistemas de medição do consumo em todas as fábricas. Seus engenheiros desenvolveram softwares para prever o consumo e medir a quantidade de água usada em cada fábrica, gerando um relatório mensal que ajuda a identificar oportunidades de melhoria.
 
A Ford foi a primeira empresa automobilística a aderir, no ano 2000, ao projeto de divulgação de dados ambientais "Carbon Disclosure Project (CDP)/ Water Disclosure".  Esse projeto serve como um escritório central onde a Ford e outras empresas participantes divulgam o seu consumo e ações de gerenciamento de água para a cadeia de fornecedores e o mercado.
 
"As questões ambientais são cada vez mais importantes para nossos parceiros de negócios, clientes, investidores e fornecedores. A conservação da água faz parte da estratégia global de sustentabilidade da Ford. Divulgando os nossos progressos, apoiamos a transformação social positiva e reduzimos o impacto ambiental de nossas fábricas", diz Edmir Mesz, supervisor de Qualidade Ambiental da Ford América do Sul.
Yes
Yes
No
3/23/2012 12:00 AM